Importações indianas de ervilhas impulsionam mudanças no mercado global de pulses

Por: IBRAFE,

1 de abril de 2024

Responsive image

A Índia iniciou recentemente um processo de importação de ervilhas de múltiplas fontes, impactando significativamente o mercado mundial de pulses. Esta decisão, que vem após a apresentação de um caso pela AgPulse Analytica em dezembro passado, está repercutindo entre os principais exportadores, como Canadá e Rússia.

Desde março de 2024, a Índia abriu suas portas para a importação de ervilhas, estendendo o prazo até abril. Essa movimentação visa suprir a lacuna na oferta de pulses no país. No entanto, o ritmo acelerado de exportações de ervilhas nos últimos meses está resultando em uma redução dos estoques em outros países.

Durante dezembro e janeiro, quase 1,4 milhão de toneladas de ervilhas foram enviadas pelos principais exportadores, atingindo o maior volume já registrado para esses dois meses. Essa demanda, especialmente da Índia, está pressionando o equilíbrio de oferta e demanda, levando a uma mudança significativa nos estoques globais de pulses.

O déficit na balança de ervilhas para a safra 2023/24 é uma realidade iminente, mesmo com a produção global atingindo números recordes, principalmente devido ao impulso da safra russa. Espera-se que os preços à vista sejam afetados, incentivando agricultores em várias regiões a dedicarem mais terras ao cultivo de ervilhas.

Enquanto as projeções indicam um aumento na área cultivada no Canadá e na Rússia para a safra de 2024, ainda é incerto se isso será suficiente para suprir a crescente demanda. A AgPulse Analytica prevê uma safra de mais de 15 milhões de toneladas para o próximo ano, mas a incerteza persiste devido aos estoques iniciais historicamente baixos.

Se as importações indianas continuarem a influenciar o mercado, pode haver escassez de suprimentos para atender as demandas de outros grandes consumidores, como China, Espanha e Turquia. A dinâmica do mercado de pulses está passando por uma transformação significativa, com implicações de longo prazo para agricultores, exportadores e consumidores em todo o mundo.

Oferta brasileira

 

O Brasil tem investido em pesquisas de desenvolvimento de cultivares de ervilha para atender tanto o mercado interno, como externo. Exemplo disso é a BRS Sulina. Leguminosa indicada para adubação verde e para cobertura de solo, a variedade de ervilha BRS Sulina foi desenvolvida em pesquisas conjuntas entre as Unidades Hortaliças e Trigo da Embrapa. Com um rendimento em torno de 1,5 toneladas de grãos a variedade é extremamente adaptada à Região Sul, devido ao rápido crescimento inicial, precocidade e uniformidade, a BRS Sulina proporciona grandes reduções de custo aos produtores de diversos segmentos, com a redução da dependência de fertilizantes químicos das culturas subsequentes.

Para o pesquisador Warley Nascimento, chefe geral da Embrapa Hortaliças, os resultados dos experimentos que vêm sendo realizados pela empresa RAIX Sementes representam um aval a mais às características da cultivar, “além de possibilitar ao produtor uma diversificação de espécies com essa finalidade, que é a cobertura do solo e rotação de culturas, principalmente para a Região Sul do País, onde essa prática sustentável tem sido adotada por grande parte dos produtores”.

 

Referência: Adaptado de fontes da AgPulse Analytica e análise de mercado.

Mais
Notícias

Brazil Superfoods Summit 2024 explora oportunidades de parceria para segurança alimentar
22/04/2024

Sementes "Nyota" - esperança do futuro agrícola do Quênia
22/04/2024