Preços firmes nas fontes, mesmo com recuo do empacotador

Por: IBRAFE,

16 de janeiro de 2024

Responsive image

Ontem, os compradores mais uma vez testaram os produtores em Minas, Goiás, São Paulo e Mato Grosso. O que tem ocorrido é que os produtores têm resistido. Tanto no Feijão-preto quanto no Feijão-carioca, se o preço baixar R$ 20 por saca, todos voltam às compras e sobem R$ 30 no dia seguinte. Não há mais necessidade de reconfirmar nada. Agora é quantificar se o rombo na produção é maior do que a CONAB e o IBGE admitiram. Na próxima sexta-feira, faremos um bate-papo online para os membros do Clube Premier. Produtores de distintas regiões querem trocar ideias para entender, a partir de agora, muito mais sobre o que esperar da segunda safra brasileira do que efetivamente discutir o momento atual. Já há bastante informação sobre o que esperar dos preços neste momento.

Na tentativa de encontrar alternativas sobre o comportamento dos consumidores para períodos como o que iniciamos agora, de inflação na cesta básica, escutam-se algumas hipóteses que merecem mais...

Mais
Boletins

IBRAFE é recebido por Pedro Lupion
17/05/2024

Vem aí índice de Feijão CNA CEPEA
16/05/2024

Colheita e vendas avançam rápido
15/05/2024

Racionar Feijão é desnecessário
14/05/2024

Paraná segue como principal fonte de produção em maio
13/05/2024