Fomos olhar de perto a safra do Paraná

Por: Fernanda Chemim, Eng.ª Agrônoma, IBRAFE,

23 de janeiro de 2023

Responsive image
Mercado estável apesar de que, no final da semana passada, foram reportados negócios com Feijões-carioca comercial afetados em algum grau pelas chuvas recentes, seja em Minas Gerais ou no Paraná. Dada a preocupação com o abastecimento neste inicio de ano, a Eng. Agrônoma Fernanda Chemin percorreu, na segunda semana de janeiro, a principal região produtora do Paraná. Segue abaixo a íntegra do relatório elaborado por ela. 
 
Relatório do Levantamento da 1° Safra 2022-2023 – Campos Gerais – Paraná 
 
Síntese:
 
Foram cerca de 600km rodados pela região de Campos Gerais, conversado com aproximadamente 20 pessoas do setor, dentre produtores, agrônomos que atendem diversas propriedades na região e cerealistas. Foram visitados 12 produtores e coletados dados relevantes.
O pico da colheita da primeira safra, que normalmente ocorre entre 15 de dezembro a 20 de janeiro na região, nesta safra 2022-2023, no entorno de Castro, tem seu pico de colheita entre 16-29 deste mês. Apenas cerca de 20% da área tinha sido colhida até a semana de 12/01 e, com as chuvas localizadas, os produtores estavam tendo dificuldade para dessecar. Nos dias 10-11 de janeiro ainda havia alguns produtores com Feijões no campo com ciclos de 110-120 dias, aguardando as chuvas darem uma brecha para poderem dessecar e colher.
As condições estão ruins para algumas lavouras, principalmente para quem plantou em setembro-outubro. Houve excesso de chuva no plantio, frio durante o desenvolvimento, além de chuva de granizo e geada em pleno novembro. Em algumas regiões em que o excesso de chuva atrasou o plantio, alguns produtores cancelaram o plantio de Feijão e decidiram plantar soja no lugar. Mas no geral o Feijão está bonito e atenderá a média da região de 2.400kg/ha (40sc/ha).
Dentre as áreas visitadas, 27% mantiveram a mesma área de plantio da primeira safra; 36% diminuíram entre 5-58% de área, por diversos fatores, incluindo área disponível para rotação, substituição por outras culturas e problemas fitossanitários. Cerca de 36% não plantaram a primeira safra e estão há 2-3 anos sem plantar, ficando só com a safrinha. Não houve aumento de área da primeira safra dentre as propriedades visitadas.
Na região de Castro, a safrinha tem se tornado a maior safra, por ser região leiteira e produzir milho silagem na primeira safra. Estima-se que houve redução...
 

Mais
Boletins

Mercado de Feijão-carioca e Feijão-preto calmo
31/01/2023

Paraná – Atraso na colheita e no plantio de Feijões
30/01/2023

Chuvas dão trégua
27/01/2023

Janeiro decepcionante volume de vendas
26/01/2023

Muito movimento no campo
25/01/2023