Dieta sem feijão aumenta em 20% chances de desenvolvimento de obesidade, diz estudo

Por: Lucas Rocha,

14 de fevereiro de 2023

Responsive image

Deixar de comer feijão está associado ao ganho de peso, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O estudo conduzido pela Faculdade de Medicina da UFMG revelou que pessoas que não consumiram feijão apresentaram 10% mais chances de desenvolver excesso de peso e 20% mais chances de chegar à obesidade. Por outro lado, o consumo regular de feijão, em cinco ou mais dias da semana, apresentou fator de proteção no desenvolvimento de excesso de peso (14%) e da obesidade (15%).

Para chegar aos resultados, os especialistas coletaram dados do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel). As informações de mais de 500 mil adultos foram acompanhadas entre os anos de 2009 e 2019, por meio de entrevistas por telefone.

Para estabelecer as relações entre alimentação e saúde, os pesquisadores dividiram a frequência de consumo semanal de feijão em indicadores:

  • não-consumo (0 dias por semana),
  • baixo consumo (1 a 2 dias por semana),
  • consumo moderado (3 a 4 dias por semana) e
  • consumo regular (5 a 7 dias por semana).

A análise mostrou que o consumo regular de feijão é o mais indicado para um bom estado nutricional.

Carioquinha, preto, branco, vermelho, verde, de corda: são diversas opções de feijão, que podem ser consumidas de maneiras e preparos diferentes, como feijoada, feijão tropeiro, tutu à mineira ou sopas e caldos.

O grão é rico em ferro, zinco, cálcio e potássio, sendo capaz de combater a anemia e reduzir o colesterol ruim. Além disso, também previne o câncer e melhora a saúde intestinal. Como todas as demais leguminosas, os feijões são fontes de proteína, fibras e vitaminas do complexo B. O alto teor de fibras e a quantidade moderada de calorias por grama conferem a esses alimentos alto poder de saciedade.

Quando combinado ao arroz, o feijão se reforça como uma fonte de proteína de qualidade. O melhor aproveitamento ocorre a partir do preparo com pouco sal e gordura, e com temperos caseiros como cebola, alho e ervas. Adicionar legumes e verduras no preparo do feijão também pode tornar a refeição mais saborosa e nutritiva.

O Ministério da Saúde recomenda que alimentos in natura ou minimamente processados devem ser consumidos diariamente, incluindo o feijão.

 

Consumo


Outra linha da pesquisa observou o consumo do item ao longo dos anos de 2007 a 2017 e identificou uma tendência preocupante. A previsão é que em 2025 o brasileiro deixe de comer feijão de forma regular e tradicional.

Na análise por sexo, constatou-se que desde 2022 as mulheres já compõem majoritariamente os grupos de consumo inferiores ao regular. Para os homens, a estimativa de alteração é no ano de 2029.

A pesquisadora Fernanda Serra ressalta que a substituição dos alimentos naturais por ultraprocessados modifica o perfil alimentar da população, trazendo uma piora na qualidade da dieta.

“A mudança de perfil alimentar se deve a praticidade que os ultraprocessados oferecem ao dia a dia. Então, pela falta de tempo, muitos optam por produtos prontos ou fáceis de serem preparados”, afirma.

Fonte: https://www.cnnbrasil.com.br/saude/dieta-sem-feijao-aumenta-em-20-chances-de-desenvolvimento-de-obesidade-diz-estudo/

Mais
Notícias

Brazil Superfoods Summit 2024 explora oportunidades de parceria para segurança alimentar
22/04/2024

Sementes "Nyota" - esperança do futuro agrícola do Quênia
22/04/2024