NESTLÉ AINDA ESTÁ EM ALTA NA PROTEÍNA VEGETAL, APESAR DA QUEDA NA DEMANDA

Por: James Attwood e Leslie Patton,

14 de novembro de 2022

Responsive image

Um recente fracasso no “hype” em torno do consumo de proteína vegetal dará lugar a uma trajetória de crescimento mais sustentável, que poderá ver o segmento responder por 30% ou 40% do mercado global de proteínas, de acordo com um alto executivo da Nestlé S.A.

“Como o boom inicial da cerveja artesanal, muitos investidores entraram no mercado de carnes artificiais com base em expectativas excessivamente otimistas de aceitação do consumidor”, disse o diretor de tecnologia Stefan Palzer em entrevista na segunda-feira.

“Quando a cerveja artesanal chegou ao mercado, todo mundo queria tê-la”, disse Palzer. “Depois, houve uma queda na demanda e, ao longo de muitos anos, ela voltou a crescer lentamente para um negócio significativo. Acho que é isso que também vamos observar aqui.”

Os fabricantes de proteínas vegetais que se beneficiaram de uma ênfase maior na saúde nos estágios iniciais da pandemia têm lutado porque a inflação empurra os consumidores para opções mais baratas, incluindo a carne animal que eles esperavam substituir. Outrora queridinha dos investidores, a Beyond Meat Inc. perdeu mais de 80% de seu valor no ano passado, pois o desconto de produtos nos EUA e no exterior prejudica a lucratividade. E algumas redes de fast-food desistiram de oferecer carnes vegetais após uma demanda fraca.

“Embora o mercado possa ter ficado desapontado com as vendas de proteína vegetal nos últimos tempos, a Nestlé ainda está vendo um desempenho ‘muito bom’ no segmento”, disse Palzer, que lidera a pesquisa e desenvolvimento da Nestlé. Ele está se preparando para um crescimento constante do consumo nos próximos anos, aumentando a porção de proteína vegetal de sua equipe global de P&D para 10%, ou 300 pessoas.

A empresa com sede em Vevey, na Suíça, continuará desenvolvendo substitutos de carne, mas também se voltou para produtos que usam proteínas animais e não animais – como uma mistura ambiente que pode ser adicionada aos ovos para aumentar o volume e a acessibilidade, ou incluir ingredientes vegetais em bebidas proteicas lácteas.

“Acreditamos no potencial”, disse. “Mas o potencial está além do ingrediente alternativo puro. É usar proteínas vegetais para inovar em muitas partes do nosso portfólio.”

Pares, incluindo a Hormel Foods Corp., já vêm experimentando misturas de carne e vegetais para atrair a chamada multidão flexitariana que busca reduzir as proteínas animais. A cadeia de restaurantes drive-in Sonic Corp. vendia um hambúrguer misturado com cogumelos e carne bovina no passado que apregoava como uma opção mais saudável.

“Embora a ciência e a tecnologia de alimentos continuem sendo uma busca centralizada da Nestlé, a inovação é descentralizada”, disse Palzer. Ele falou de Santiago, no Chile, onde a empresa realizou um evento de inauguração de um novo centro de desenvolvimento de alimentos para as necessidades dos consumidores da região. (Nestlé fortalecerá a capacidade de inovação na América Latina - Startup Life - Negócios | Tecnologia | Inovação | Notícias)

Ele também vê muito potencial de proteína vegetal na América Latina, onde o consumo de carne continua alto. As motivações para recorrer a substitutos de animais variam de região para região. Por exemplo, no Reino Unido e na Alemanha, o bem-estar animal é um grande impulsionador, enquanto na América Latina é mais saúde e sustentabilidade, disse ele.

Nos EUA, o hambúrguer de carne vegetal do McDonald's Corp. feito pela Beyond Meat não foi além de apenas um teste limitado. Enquanto isso, a rede expandiu o hambúrguer de proteína vegetal em todo o Reino Unido e Irlanda. Palzer disse que é inevitável que a base de plantas se torne mainstream (convencional).

“Não há como evitar isso porque não podemos continuar com a mesma quantidade de carne, peixe e frango que consumimos hoje”, disse ele. “Então, a base de plantas tem que se tornar popular simplesmente porque não há proteína animal suficiente.”

FONTE: Bloomberg

Mais
Artigos

Nova Resolução sobre Rotulagem Nutricional - RDC 429/2020
07/12/2022

Cenário brasileiro do Feijão-caupi
30/11/2022

Como alimentar 8 bilhões de pessoas?
29/11/2022

Prêmio Nobel elogia agricultura brasileira, que pode servir de exemplo para África
17/11/2022

SÃO PAULO, SP (AGÊNCIA BRASIL) - O estande do Brasil na 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP27) recebeu nesta quarta-feira (16) Rattan Lal, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2007.

Área de plantio de arroz e Feijão encolheu mais de 30% em 16 anos, com o avanço da soja e do milho
16/11/2022

Grãos que ganharam mais espaço são voltados à exportação; trigo também começa a ser cotado para substituir territórios dos dois alimentos básicos.