Feijões Mungo-preto e Guandu serão opções para Índia

Por: Fernanda Chemim, Eng.ª Agrônoma, IBRAFE,

14 de julho de 2023

Responsive image

Existem requisitos iniciais que são categoricamente mencionados nas necessidades imediatas para duas variedades específicas de Pulses na Índia. Essas variedades são o Feijão-guandu (Pigeon Pea) e o Feijão-mungo-preto (Black Matpe). A Índia enfrenta escassez dessas variedades específicas e o consumo delas chega a vários milhões de toneladas. A escassez pode variar de 10% a 35-40%, dependendo da sazonalidade e disponibilidade nos produtores específicos. Atualmente, importam essas duas Pulses da África e de Mianmar, que são os principais fornecedores. Portanto, o principal ponto de discussão atualmente na Índia é como eles podem eventualmente desenvolver uma nova fonte, o Brasil, para essas variedades de Pulses, e o que é necessário para cultivar essas variedades específicas no Brasil.
Normalmente, a Índia facilita o comércio especialmente no que diz respeito a Pulses e grãos. Um bom exemplo disso é o Conselho de Comércio de Lentilhas dos EUA, com o qual tem trabalhado nos últimos dois anos. Durante a visita do Primeiro-Ministro indiano aos EUA, ambos os países concordaram em recuar em medidas retaliatórias e tarifas retaliatórias, e os esforços resultaram na retirada dessas tarifas retaliatórias. Isso abriu uma nova oportunidade para importarem novas variedades dos EUA e proporcionou uma grande abertura para os comerciantes considerarem múltiplas variedades.
A Índia importa Lentilhas principalmente do Canadá, também da Austrália e, às vezes, da Rússia. Embora não estejam importando da Rússia atualmente, em algum momento costumavam importar. Nesses esforços conjuntos é onde a IPGA (Indian Pulses and Grains Association), a entidade máxima, desempenha o papel de intermediária, reunindo múltiplos atores comerciais e buscando maneiras de ajudar as entidades comerciais e os países envolvidos. E é exatamente isso que gostariam de fazer com os parceiros brasileiros.
Certamente há uma necessidade e o governo responderá com grande prioridade para o cultivo de Feijão-guandu e Feijão-mungo-preto. Assim como ocorre com os acordos estabelecidos com a África e Mianmar, algo semelhante pode ser feito entre Brasil e Índia, para termos uma espécie de garantia de que estão dispostos a importar essas commodities do Brasil. Além disso, eles podem analisar outras commodities em que a facilitação do comércio possa ocorrer sempre que nós como parceiros estivermos interessados.
Há muitas coisas que podem se concretizar e é onde a IPGA desempenhará o papel de ancorar essas necessidades, facilitando sempre que houver necessidade de advocacia política, juntamente com a embaixada brasileira e o adido agrícola na Índia.

Situação das Pulses na Índia

A Índia é o maior produtor de Pulses do mundo, possuem diferentes variedades e produzem cerca de 27.000.000 toneladas, sendo as principais o Grão-de-bico, o Feijão-mungo-preto, o Feijão-guandu, o Feijão-mungo-verde e as Lentilhas. Essas cinco Pulses são as mais focadas pelo governo. Nos últimos anos, o governo tem tomado medidas para impulsionar a produção e tem sido bem-sucedido. Em 2017-2018, importaram cerca de 6,5 milhões de toneladas e atualmente esse número caiu para 2.000.000 toneladas. No entanto, no mix de Pulses deles, o Feijão-guandu e o Feijão-mungo-preto são os mais importantes. Esses cultivos são cultivados na estação de kharif, que é a estação de verão. Nos últimos anos, eles têm enfrentado muitos problemas com esses dois cultivos. A demanda atual da Índia é de cerca de 27.000.000 de toneladas e estimam que, até 2030, essa demanda chegará a 35.000.000 de toneladas. A demanda está aumentando devido ao crescimento do PIB na Índia, ao aumento do consumo per capita e à renda per capita, além da existência de uma grande classe média. E, nisso, as Pulses são uma importante fonte de proteína para a maioria da população indiana. Portanto, precisam de Pulses. 

Exemplos de sucesso de acordos com a Índia

Na década de 90, o Canadá não produzia praticamente nenhuma leguminosa. Hoje em dia, eles produzem uma grande quantidade de Ervilhas-amarelas, cerca de 3 a 4 milhões de toneladas, e Lentilhas, cerca de 2 a 3 milhões de toneladas. Atualmente, o Canadá é o maior exportador e produtor dessas Pulses, mas durante 30 anos eles praticamente não produziram, graças à política do governo da Índia que incentivou o seu cultivo e importou cada vez mais do Canadá. Houve uma enorme demanda por parte da Índia, o que tornou o mercado uma grande oportunidade para o Canadá. Da mesma forma, há uma oportunidade para o Brasil. As duas Pulses às quais estamos nos referindo são o Feijão-guandu e o Feijão-mundo-preto. Além da Índia, o Feijão-mungo-preto é produzido apenas em Mianmar, com uma produção de cerca de 600 a 700 mil toneladas por ano. A demanda da Índia é de cerca de 3,5 milhões de toneladas e muitas vezes viram suas safras serem afetadas, precisando importar mais e mais do mercado internacional. A situação é semelhante para a Ervilha, pois os países que a cultivam, Mianmar e países do leste africano, juntos, produzem cerca 800.000 a 1 milhão de toneladas. No entanto, a demanda é maior e até 2030, como mencionado, a demanda aumentará para 35 milhões de toneladas. Vão precisar mais dessas Pulses, por isso, é uma grande oportunidade para ambos os países, para o comércio bilateral e o desenvolvimento desse negócio.

As condições do Brasil para a produção

A primeira coisa mais importante do ponto de vista da pesquisa é que ambas as culturas são altamente fototermossensíveis. Isso significa que, durante diferentes regimes de temperatura e regimes de fotoperíodo, o comportamento dessas culturas tende a mudar. Na verdade, o Feijão-guandu possui três durações diferentes de crescimento. Uma delas é a duração precoce, que amadurece em 135 a 150 dias na Índia. O segundo grupo é a duração média, que varia de 152 a cerca de 190 dias, e o terceiro é a duração longa, que é superior a 220 dias. Nas condições indianas, cultivam as três durações diferentes, mas como querem intensificar os sistemas de cultivo, o interesse é no Feijão-guandu de duração precoce e na de duração média.
No caso do Brasil, principalmente a Região Nordeste, que possui um ambiente semiárido, com cerca de 700 milímetros de precipitação anual, são favoráveis para estas duas culturas, pois não são exatamente endêmicas, mas pode-se dizer que são culturas semiáridas e requerem uma precipitação pluviométrica de cerca de 700 a 900 milímetros por ano.

As dificuldades de produção enfrentadas na Índia

No caso do Feijão-guandu (Pigeon Pea), em condições indianas, estão cultivando em torno de 4,5 milhões de hectares. No entanto, a produção está flutuando principalmente por três motivos: a primeira é a termossensibilidade; a segunda é sua suscetibilidade a várias doenças, principalmente a Fusarium, várias doenças bacterianas; e a terceira é sua alta suscetibilidade a diferentes tipos de pragas. 
Pós-colheita passam a refletir tanto o Feijão-guandu quanto Feijão-mungo-preto ao ataque de insetos-praga, como o gorgulho. Eles perfuram os grãos e se alimentam de seu interior, deixando o casulo e a casca intactos. Esses são os principais problemas que a Índia está enfrentando. 
Com isso, se precisam se concentrar na disponibilidade de Pulses suficientes para as massas indianas, a importação é uma das soluções, especialmente no caso do Feijão-mungo-preto. Atualmente, a Índia está importando principalmente de Mianmar e Moçambique. Em países africanos, principalmente, estão importando Feijão-mungo-preto e Feijão-guandu, porque o Feijão-guandu não é cultivado em muitos países, apenas em alguns países africanos, incluindo Tanzânia e Moçambique, e os países do leste africano só produzem em uma estação, e a quantidade é muito, muito limitada.

Brasil como parceiro da Índia na exportação de Pulses: Feijão-guandu e Feijão-mungo-preto

Nesse caso, provavelmente o Brasil pode se tornar um grande parceiro exportador para a Índia, tanto a curto quanto a longo prazo. No entanto, é importante que os produtores brasileiros levem em consideração as propriedades organolépticas, especialmente o sabor e o aroma, do Feijão-guandu e do Feijão-mungo-preto. Deve-se destacar que o Feijão-guandu é muito sensível no mercado indiano, tanto politicamente quanto em termos de preço. É uma leguminosa consumida em grande parte do país devido ao seu sabor. Portanto, sabor e o aroma dessas diferentes variedades fazem diferença e o Brasil já testou e atende este requisito. 
O Brasil já está produzindo Feijão-mungo-preto (três empresas já produziram Feijão-mungo-preto este ano e acabaram de colher a safra), pois a Índia já tem importado uma pequena quantidade, cerca de 2.000 a 3.000 toneladas anualmente desde o Brasil. E a qualidade que eles têm recebido do Brasil tem sido totalmente aceitável na Índia. O que a Índia espera é que se produza mais e com a mesma qualidade, e que certamente comprarão. Certamente, essa cultura nova vai precisar de muita assistência por parte da Índia, mas que, por sua vez, está disposta a levar adiante conforme necessário.

Países que exportam Feijão-guandu (Pigeon Pea) para a Índia

A Índia é um dos maiores importadores de Pigeon Pea (Cajanus cajan), também conhecido como toor dal ou Feijão-guandu. Embora a Índia seja um dos principais produtores e consumidores de Pigeon Pea, o país também importa quantidades significativas dessa leguminosa de outros países. Alguns dos principais países exportadores de Pigeon Pea para a Índia incluem:
Mianmar (Birmânia): Mianmar é um dos maiores exportadores de Pigeon Pea para a Índia. A Índia importa uma quantidade considerável dessa leguminosa do país vizinho.
Tanzânia: A Tanzânia é conhecida por suas exportações de Pigeon Pea para a Índia. O clima favorável e as condições agrícolas propícias na Tanzânia permitem a produção de quantidades significativas dessa leguminosa.
Malawi: O Malawi também é um importante exportador de Pigeon Pea para a Índia. A Índia importa uma quantidade considerável dessa leguminosa do Malawi para atender à demanda interna.
Quênia: O Quênia também exporta Pigeon Pea para a Índia. A produção de Pigeon Pea no Quênia tem crescido nos últimos anos, e a Índia é um dos principais destinos dessas exportações.
Além desses países, a Índia também importa Pigeon Pea de outras nações, como Uganda, Nigéria, África do Sul, Etiópia, Emirados Árabes e Austrália dependendo das condições de mercado e da disponibilidade do produto.
Os principais exportadores em 2021 foram Tanzânia, Malawi e Moçambique, exportando respectivamente 191.330 toneladas, 47.113 toneladas e 32.830 toneladas para a Índia.

Países que exportam Feijão-mungo-preto (Black Matpe/Urad dal)

A Índia é um dos maiores importadores de Black Matpe (Vigna mungo), que também é conhecido como urad dal ou Feijão-mungo-preto. Embora seja um alimento básico importante na culinária indiana, a Índia também importa quantidades significativas dessa leguminosa de outros países. Alguns dos principais países exportadores de Black Matpe para a Índia incluem:
Mianmar (Birmânia): Mianmar é um dos maiores produtores e exportadores de Black Matpe, e a Índia importa uma quantidade considerável dessa leguminosa do país.
Tanzânia: A Tanzânia é outro grande exportador de Black Matpe para a Índia. O clima favorável e as condições agrícolas propícias da Tanzânia permitem a produção de altas quantidades de Lentilha-preta.
Uganda: Uganda também é conhecido por suas exportações de Black Matpe para a Índia. A produção de Lentilha-preta em Uganda tem crescido nos últimos anos, e a Índia é um dos principais destinos dessas exportações.
Sudão: O Sudão é um dos países africanos que exportam Black Matpe para a Índia. As condições climáticas e agrícolas favoráveis do Sudão contribuem para a produção e exportação dessa leguminosa.
Além desses países, a Índia também importa Black Matpe de outras nações, como Nigéria, Quênia, Malawi e Etiópia, dependendo da oferta e demanda do mercado.

E por que essas são as melhores opções de Pulses para o mercado indiano?

Se considerarmos os números, o consumo de Lentilhas não é tão expressivo em comparação com o Feijão-guandu, Feijão-mungo-preto e Feijão-mungo-verde, que têm um consumo maior. Além disso, existem concorrentes do Canadá e da Austrália que exportam a maior parte das Lentilhas para a Índia, e essa quantidade também não é muito grande. Quanto às Ervilhas-verdes, vários países estão atualmente produzindo, como Canadá, Argentina e Austrália, e basicamente a produção de Ervilhas é muito alta. A produtividade é alta, e o governo indiano impôs algumas tarifas de importação também para as Ervilhas. 
Além disso, as Ervilhas-amarelas, principalmente, são substitutas das Lentilhas e, por isso, desde os últimos 5 anos e meio, desde abril de 2018, o governo da Índia proibiu a importação. Eles restringiram a importação de Ervilhas-amarelas para o mercado indiano e agora não estão recebendo nenhuma Ervilha. Nem do Canadá nem da Europa, porque a Rússia é outro grande produtor de Ervilhas. 
O foco, portanto, deve estar no Feijão-mungo-preto, Feijão-guandu, Mungo-verde e nos caupis, rajados e vermelhos que terão demanda crescente pela Índia e outros países também. 
O IBRAFE – Instituto Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais – tem atuado fortemente para criar as bases nesse comércio com a Índia. Além de mediar a transferência de tecnologia desde a Índia para o Brasil, também tem buscado encontrar meios de dar segurança aos exportadores, uma vez que produzir Pulses, que têm mais de 90% destinados a um só país, traz riscos ao produtor brasileiro. Estão em andamento entendimentos para que haja segurança para ambos os lados nessas negociações. 

Mais
Artigos

MISSÃO COMERCIAL – EXPO ANTAD
05/02/2024

IBRAFE Realizará missão com exportadores de Gergelim e Pulses para o México

Por que ele tem esse nome se não é do Rio?
22/01/2024

Feijão-carioca vira tema do BBB: "Por que se chama carioca se eles não comem lá?"

Agricultura Irrigada Brasileira - Potencial Sustentável para o Feijão e Desafios Futuros
25/08/2023

Projeto busca conscientização e voluntariado
25/08/2023

Foco são os praticantes de musculação que fazem uso excessivo de suplementos

Sustentabilidade e lucro
18/08/2023

Foco em manejos sustentáveis une diversos benefícios para produtores