Feijão: plantio da 1ª safra 2022/23 atinge 87% no Paraná

Por: IBRAFE,

10 de novembro de 2022

Responsive image

O Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (SEAB), informou que o plantio da 1ª safra de Feijão 2022/23 chegou a 87% no estado. As lavouras se dividem entre as fases de germinação (14%), crescimento vegetativo (69%), floração (13%) e frutificação (4%), com 73% em boas condições, 26% em condições médias e 1% ruins.

No dia 31 de outubro, a semeadura atingia 76% da área, com 73% das lavouras em boas condições, 26% em situação média e 1% ruins, com 13% das lavouras na fase de germinação, 76% em crescimento vegetativo, 7% em floração e 4% em frutificação. O Departamento de Economia Rural (Deral), vinculado à Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Paraná (SEAB), estimou, em seu relatório mensal de outubro, que a produção da 1ª safra de Feijão em 2022/23 chegar a 241,7 mil toneladas, 24% acima das 195,6 mil toneladas na safra anterior (2021/22).

A área plantada na 1ª safra 2022/23 foi estimada em 122,4 mil hectares, 12% abaixo dos 139,3 mil hectares plantados na safra anterior (2021/22). A produtividade é estimada em 1.975 quilos por hectare, alta ante os 1.404 quilos por hectare da safra 2021/22.

Fonte: https://www.canalrural.com.br/radar/feijao-plantio-da-1a-safra-2022-23-atinge-87-no-parana/

Mais
Artigos

Nova Resolução sobre Rotulagem Nutricional - RDC 429/2020
07/12/2022

Cenário brasileiro do Feijão-caupi
30/11/2022

Como alimentar 8 bilhões de pessoas?
29/11/2022

Prêmio Nobel elogia agricultura brasileira, que pode servir de exemplo para África
17/11/2022

SÃO PAULO, SP (AGÊNCIA BRASIL) - O estande do Brasil na 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP27) recebeu nesta quarta-feira (16) Rattan Lal, ganhador do Prêmio Nobel da Paz em 2007.

Área de plantio de arroz e Feijão encolheu mais de 30% em 16 anos, com o avanço da soja e do milho
16/11/2022

Grãos que ganharam mais espaço são voltados à exportação; trigo também começa a ser cotado para substituir territórios dos dois alimentos básicos.